Amália - Amália Sings Traditional Fado

Print

Línguas: Português / Inglês

Artista: Amália Rodrigues
Título: Amália Sings Traditional Fado
Formato: CD Jewel Case - booklet 8 páginas

Género: World Music / Fado / Portugal
Nº de Catálogo: SM006-CD​​​​​​​
EAN: 5606562620226

Pontos de interesse:​​​​​​​

20 Grandes temas de Amália

Restauro e masterização em FULL HD

Booklet em português e inglês

Ilustração original

Fado Património da Humanidade

Um ponto de viragem na história do fado

 

Um dos segredos que esteve na base do grande sucesso de Amália Rodrigues foi a sua forte intuição e o bom gosto na escolha do seu repertório. Desde sempre deu voz a composições de grandes compositores da canção portuguesa tais como Alberto Janes, Frederico de Freitas, Frederico Valério, Jaime Santos, entre outros.

 

1962 foi um ano marcante na sua carreira, Amália conhece o grande compositor luso-francês Alain Oulman. Com Oulman, Amália começou a cantar poetas clássicos que até à data nunca tinham sido interpretados no fado. A sua voz aliada às brilhantes composições de Oulman e à grande obra poética portuguesa engradeceu até ao limite da sua extensão.

 

O início desta parceria constituiu uma verdadeira revolução no repertório de Amália e também para o fado na época, dando-lhe maior expansão e maior riqueza harmónica, representando um ponto de viragem para o fado moderno. Assim se iniciou a estreita colaboração entre Amália e Oulman que foi larga na cumplicidade e no tempo estendendo-se até ao fim da vida do compositor.

 

Em 1962 Amália edita pela Columbia o inovador álbum Asas fechadas também conhecido por Busto. Este álbum viria a tornar-se um dos grandes clássicos do fado, apesar da forte contestação dos mais puristas da época. Com poemas de Luís de Macedo, David Mourão-Ferreira, Pedro Homem de Mello e também da própria Amália, Oulman compõe a maioria dos temas incluídos no disco à exceção do Fado bailado de Alfredo Duarte Marceneiro “Estranha forma de vida” e Fado Vitória de Joaquim Campos “Povo que lavas no rio” que alcançaram enorme sucesso.

 

Nesta mesma sessão foram gravados mais 10 temas que deram origem a outras edições internacionais no ano seguinte. Uma delas foi Amália for your delight pela editora multinacional Columbia que trouxe como novidade os temas "Algemas" e "Rasga o passado" de Álvaro Duarte Simões e vários

poemas como "Acho inúteis as palavras", "Na rua do silêncio" de António de Sousa Freitas, contendo também temas de Alain Oulman, Joaquim Campos e Alfredo Duarte Marceneiro com poemas de David-Mourão Ferreira e Luís de Macedo.

 

A outra edição foi Amália 1963 com selo da editora francesa Ducretet-Thomson que resulta numa compilação de Asas fechadas e Amália for your delight que inclui ainda o tema "Dura memória" de Oulman com poema de Luís de Camões até então inédito.

 

Nestas gravações conduzidas pelo engenheiro de som Hugo Ribeiro nos estúdios da Valentim de Carvalho estiveram José Nunes na guitarra portuguesa, Castro Mota na viola de fado e Alain Oulman no piano.

 

Todos estes fados assim como o Fado "Primavera" de David-Mourão Ferreira e Pedro Rodrigues que fora gravado uns anos antes estão incluídos neste

trabalho Amália the best fado songs.

 

O sucesso de Amália sempre foi constante desde o início da sua carreira em 1939 até aos dias de hoje. Uma mulher com uma extraordinária intuição artística e forte noção de intemporalidade que marcou definitivamente um ponto de viragem na história do fado, sendo indiscutivelmente o símbolo máximo da canção de Lisboa.

Fado menor (Linhares Barbosa/Arr. S. Moreira)

Tudo isto é fado (Aníbal Nazaré/Fernando Carvalho)

Que Deus me perdoe (S. Tavares/Frederico Valério)

Novo fado da Severa (F. Dantas/F. de Freitas) 

Fado alfacinha (António Feijó/Jaime Santos)

Não é desgraça ser pobre (D. Araújo/Arr. S. Moreira)

Fria claridade (P. Homem de Melo/José Marques Amaral)

Fado das Tamanquinhas (Linhares Barbosa/Tamanquinhas)

Interior triste (Armando Góis/Luís Macedo)

Triste sina (Nóbrega e Sousa/Jerónimo Bragança)

A minha canção é saudade (Frederico de Brito/Vasco Barros Queiroz)

Há festa na Mouraria (G. de Oliveira/A. Duarte)

Lago (Luís de Macedo)

Fado dos fados (Leonel Neves/António Mestre)

Lá porque tens cinco pedras (Linhares Barbosa/Filipe Pinto)

Fado da adiça (Rodrigo de Melo/Armandinho)

Fado marujo (Linhares Barbosa/Artur Ribeiro)

Faia (Amadeu do Vale/F. de Carvalho)

Ai Mouraria (Amadeu do Vale/Frederico Valério)

Malmequer pequenino (Ricardo Borges de Sousa)

SevenMuses © 2018